Projetos

Projetos Atuais

Jovens Aprendizes
Em parceria com a Escola Técnica José Cesar de Mesquita, Prefeituras de Bagé e Candiota, o programa Jovens Aprendizes busca a formação profissional e geração de trabalho e renda.

Em 2011, a Eletrobras CGTEE assinou o convênio CGTEE/SEDE/176/2011com Escola Mesquita capacitou 60 jovens aprendizes nos cursos de Assistente Administrativo (30 jovens) e Auxiliar de Manutenção (30 jovens), que se formaram em abril de 2013.

No ano de 2013, dando continuidade ao projeto, Assinou o convenio CGTEE/SEDE/044/2013, são 30 jovens no curso de Auxiliar de Caldeiraria, em Bagé, e 30 em Manutenção em Elétrica e Eletrônica, em Candiota. Todos os alunos de Candiota são da própria cidade, já em Bagé, são 24 estudantes de Bagé e seis de Hulha Negra.

Recursos Aplicados em 2011/2012 –Eletrobras CGTEE – R$ 343.116,63
Recursos Aplicados em 2013 - Eletrobras CGTEE –R$ 627.973,64
Recursos Previstos para 2014 - Eletrobras CGTEE - R$ 435.414.09

Os jovens são selecionados por meio de convênio com a CGTEE pela Escola Técnica José Cesar de Mesquita.

Alto Camaquã
O projeto Alto Camaquã é realizado em parceria com as empresas Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e Fapeg - Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário Edmundo Gastal, desde o ano de 2011 e foi renovado até junho de 2014.

O convênio tem como objetivo promover a transformação da realidade social e econômica do território do Alto Camaquã, tendo como base o reconhecimento e valorização dos ativos locais, sejam eles ecológicos, socioculturais, históricos ou econômicos, ou seja , o desenvolvimento endógeno local, agregando valor e constituindo uma marca "Alto Camaquã" nos produtos ali desenvolvidos.

Recursos totais aplicados no convênio R$ 499.999,00

Projetos Já Realizados

Quintais Orgânicos de Frutas
Desde 2004 o Projeto Quintais Orgânicos de Frutas vem sendo desenvolvido em conjunto com a Embrapa Clima Temperado. A partir de 2008 teve a adesão da Eletrobras.

Por meio do plantio de 16 espécies de frutíferas beneficia milhares de pequenos agricultores e suas famílias. Durante os 12 meses do ano propicia frutas para o sustento e para comercialização, agregando trabalho e renda às famílias.

A implantação dos quintais tem a assistência técnica da Embrapa, desde escolha das mudas sadias que são produzidas na unidade.

Os quintais orgânicos integram projeto que visa oferecer alimentos nutritivos ao longo do ano, contribuindo para segurança alimentar para comunidades carentes do meio rural e periféricas, assentamentos de reforma agrária, grupos indígenas e quilombolas.

O projeto além de sua relevância social recebeu premiações de Certificação de Tecnologia Social 2007, Tecnologia Ambiental e Socioambientais-Setor Público, ambos em 2008 e FINEP da inovação da categoria Tecnologia Social Região Sul e Nacional 2009.

Atingimos entre de 2004 a 2013 um total de 1.315 implantados, para a próxima etapa estão previstos mais 238.

Instituições Participantes:

Eletrobras CGTEE (Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica), Fundação de Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário Edmundo Gastal (FAPEG) e Emprapa Clima Temperado (CPACT).
Recursos Aplicados em 2010 – Eletrobras CGTEE –R$ 479.115,00.
Recursos Aplicados em 2011/2012 –Eletrobras CGTEE – R$ 925.600,00.
Recursos Aplicado sem 2013 - Eletrobras CGTEE –R$ 431.600,00
Recursos Previstos para 2014 - Eletrobras CGTEE - R$ 400.000,00

Total de quintais 1.115
Total de beneficiários diretos: aproximadamente 51 mil

Escola de Fábrica - Programa de Capacitação de Treinamento - Quatro módulos executados
O Programa de Capacitação e Treinamento teve início em setembro de 2005. A execução da quarta etapa foi encerrada em junho de 2009. O projeto Escola de Fábrica foi uma parceria da CGTEE com as prefeituras da Metade Sul, por meio das secretarias municipais da educação com o governo federal, executado pelo Ministério da Educação – MEC e transferido em 2009 para o Ministério do Trabalho e Emprego, como submodalidade do Programa Projovem Trabalhador.

Nas quatro etapas do projeto, com início em 2005, a CGTEE, o Instituto Federal Sul-Rio-Grandense, o MEC e as prefeituras formaram uma grande parceria. Os cursos forma ministrados por professores técnicos do IFSul, numa carga horária de 600 horas/aula.

O curso foi patrocinado pela CGTEE, a bolsa-auxílio no valor mensal de R$ 150,00 pelo MEC e o lanche, transporte e sala de aula por conta das prefeituras.

Os jovens contemplados tinham entre 16 e 24 anos, cursavam o Ensino Fundamental, o Médio ou o EJA e possuíam renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo.

Os cursos de qualificação profissional foram definidos pela comunidade e a escolha dos jovens por meio de seleção pública. Foram realizados cursos de eletricista, montador, soldador, caldeireiro, mecânico, instalador hidrosanitário, entre outros ministrados em mais de 16 municípios. No período 1520 jovens se formaram pelo programa.
Voltar