Projetos

Microalgas
Convênio entre Eletrobras CGTEE, Eletrobras, Furg – Fundação Universidade do Rio Grande, e CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, para a estudos de viabilidade técnica visando a utilização de Microalgas com o objetivo de redução da emissão de gás carbônico proveniente da geração Termelétrica.

A Eletrobras CGTEE amparada pela diretriz estratégica de desenvolver tecnologias capazes de sustentar o uso do carvão mineral como fonte de energia, pode através desta pesquisa aprofundar e desenvolver a possibilidade de que os microrganismos fotossintéticos, em especial as microalgas, sejam usadas na remoção, captura, seqüestro e utilização do CO2.

Entre as características destes microorganismos que podem desde já apontar para o sucesso desta alternativa podemos citar as seguintes:


  • Maiores taxas de fixação de CO2 que as plantas superiores;
  • Capacidade de assimilar CO2 e transformá-lo em carboidratos e outras substâncias utilizáveis, tais como ácidos graxos e proteínas, usando a energia solar;
  • Melhor adequação para incorporar CO2 removendo-o do sistema em processos industriais que outros sistemas fotossintéticos usando plantas superiores;
  • As microalgas requerem acomodações mais simples e menor espaço de terra do que as plantas superiores;
  • O aumento de escala a partir de um experimento de laboratório é mais facilmente atingido;
  • Ótima capacidade fotossintética;
  • Muitas espécies de microalgas são capazes de crescer bem em águas residuais, salobras e salgadas e podem tolerar ampla flutuação da temperatura;

Os resultados de fixação de gás carbônico por microalgas são gerados em meses ou poucos anos, ao passo que com árvores estes valores só são conhecidos em muitos anos ou décadas, acarretando uma lacuna muito grande para detecção de problemas e mudanças.
Voltar