Edifício sede da Eletrosul é referência em eficiência energética

 As soluções aplicadas para uso racional da água também foram consideradas na avaliação, garantindo uma bonificação na pontuação final. Outros dois prédios da empresa em Santa Catarina – na capital e em Campos Novos – também já obtiveram a etiqueta com a classificação máxima (nível A) em eficiência energética. A certificação foi viabilizada por meio de convênio firmado entre Eletrobras e Fundação Certi.

Inaugurado no final da década de 70, o edifício sede da Eletrosul com mais de 26 mil metros quadrados de área construída se tornou referência em Florianópolis. Assim como em outras construções mais antigas da empresa em outras cidades, o projeto da sede já previa aplicação de recursos de proteção térmica e iluminação, que contribuíam para a redução do consumo de energia elétrica. Entre 2005 e 2007, os sistemas de climatização e iluminação foram modernizados com a instalação de luminárias de alto brilho e reatores eletrônicos em todas as áreas. Para racionalização do uso da água, os banheiros foram equipados com torneiras e mictórios com sensores e sistemas de descarga diferenciados para resíduos sólidos e líquidos.

“A Eletrosul vem aumentando a aplicação de soluções de eficiência energética em suas instalações. A intenção é que todos os projetos arquitetônicos, especialmente das novas construções, sejam avaliados e ajustados dentro desses conceitos”, afirmou o gerente da Divisão de Eficiência Energética e Novas Tecnologias da Eletrosul, Henio de Oliveira Bez. Segundo ele, a redução no consumo de energia elétrica e de água pode ser de até 50% e 40%, respectivamente.

Etiquetagem

Eletrobras e Inmetro lançaram a Etiqueta de Eficiência Energética em edificações, em 2009, como parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE). A metodologia aplicada para a certificação foi definida em conjunto com o Laboratório de Eficiência Energética em Edificações (LabEEE), da Universidade Federal de Santa Catarina, entre outras instituições.

Assim como os eletrodomésticos, os projetos de arquitetura são analisados pelo Inmetro (ou instituições por ele credenciadas) e recebem as etiquetas com graduações de A a E, conforme a eficiência energética. Os principais critérios avaliados são a envoltória da edificação – paredes externas e telhado –, iluminação e condicionamento de ar. Há ainda um bônus quando o projeto agrega tecnologias de uso racional da água, aproveitamento de água de chuva, aquecimento solar da água, geração fotovoltaica, geração eólica e tratamento dos efluentes.

As edificações dos setores residencial, comercial e público são responsáveis por aproximadamente 45% do consumo de energia elétrica no Brasil, que se dá principalmente em forma de iluminação artificial e climatização de ambientes. É o que revela o engenheiro Márcio Damasceno, técnico do PBE. Ele acredita que a etiqueta para edificações está mudando as rotinas do mercado imobiliário e pode determinar o aparecimento de uma nova geração de construções mais sustentáveis.


Casa Eficiente

A aplicação de soluções inovadoras e eficientes no uso racional da energia elétrica e da água, na área de construção civil, já vem sendo pesquisada há anos pela Eletrosul. Em parceria com o LabEEE/UFSC e a Eletrobras, a empresa construiu em sua sede, em Florianópolis, a Casa Eficiente. O projeto foi concebido para se tornar uma vitrine de tecnologias de ponta e referência nacional para a disseminação dos conceitos de eficiência energética, conservação de energia, sustentabilidade e conforto ambiental. Dispõe de tecnologias como geração de energia fotovoltaica, estratégias de condicionamento de ar, aquecimento de água por coletores solares, aproveitamento da água da chuva, tratamento de efluentes e reúso de água para irrigação e lavagem de calçadas, por exemplo.

A Casa Eficiente foi o primeiro projeto residencial do País a receber as três respectivas etiquetas com nível A de eficiência em conservação de energia, avaliada dentro do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro, nas etapas de Projeto, Simulação e Edifício Construído.

Prédio sustentável

As novas instalações do Setor de Manutenção da Eletrosul em Campos Novos (SC) – primeiro prédio sustentável da empresa de uso administrativo – reúnem aspectos construtivos que atendem aos conceitos de eficiência energética, conservação de energia e preservação de recursos naturais. A edificação também já obteve a etiqueta nível A em Eficiência Energética, na fase de projeto e com o prédio construído, conforme critérios do PBE.

Informações da Assessoria de Comunicação Social e Marketing da Eletrosul

Voltar